Preconceito contra o funk vira debate em programa de TV

30/05/2011 | comentários: 4
O funk carioca já se tornou patrimônio cultural do Rio de Janeiro e chegou a todas as classes sociais. Apesar do feito, é um movimento que ainda sofre muita resistência. Para mostrar como é o dia a dia dos que frequentam as festas, A Liga, que vai ao ar nesta terça-feira (31), mostra o cotidiano das pessoas que cantam e frequentam esses bailes.

Mas o programa não se limita à questão da sensualidade e às roupas curtíssimas usadas pelas meninas. O repórter Rafinha Bastos acompanhou o funqueiro Mc K9 durante toda uma noite e debate o preconceito sobre o ritmo. "Muita gente não sabe como são os bailes e ainda remetem à época das brigas", explica o cantor.

Para abordar o proibidão - músicas com letras pesadas e que são o maior sucesso nas festas -, Thaide vai atrás de Mc Smith que conquistou seu público cantando essas versões. "O funk ainda é marginalizado pela mídia. Mas isso vai ser esclarecido no futuro, assim como foi o hip hop nos EUA", analisa o músico.

Créditos: Terra

"Se você e/ou sua empresa possui os direitos de alguma imagem/reportagem e não quer que ela apareça no Funk de Raiz, por favor entrar em contato. Serão prontamente removidas".