Os proibidões e o hábito da censura

22:17


Os quatro MCs presos por cantar raps de apologia ao tráfico no Alemão gravaram um vídeo na delegacia. O link é http://bit.ly/ePvbAw , e nele vemos não só a explicação para a prisão, dada pela delegada, como uma breve defesa dos próprios cantores.

Em resumo: são artistas - se são bons ou maus, não vem ao caso debater - que cantam sobre os traficantes da área e que glorificam em certas letras a força que a parte armada da favela tem diante da polícia. São sintomas de uma sociedade, como qualquer artista que se disponha a comentar seu ambiente.

"Quem mora na zona sul canta sobre praia, sobre surfe. Eu canto sobre o tráfico porque é o que a gente vê aqui", defende um deles. Uma lógica indiscutível, mas o Brasil ainda engatinha a respeito de entender o que é liberdade de expressão e o que seria uma apologia ao crime.

É expressão. Não interessa se glorifica o tráfico. Toda forma de cultura já se curvou ante o poder dos vilões (cinema, rock, literatura), e o fato de aquela realidade ser muito próxima de nós não interfere: trata-se de um comentário artístico, não pode ser censurado apenas por pertencer ao que alguém considera mau gosto.

Comunidades inteiras se acostumaram por anos a uma criminalidade próxima, arrogante e, acima de tudo, triunfalista. Traficantes armados tiram onda, abocanham para si um prestígio de heróis e anti-heróis e atraem para si uma série de pessoas que pedem emprestado aquele brilho.

Chegam até eles moças namoradeiras, amigos funkeiros, jogadores de futebol e até políticos. Um way of life relativamente bem-sucedido no meio das mazelas. Se a ideia é agitar a comunidade num baile, torna-se ótima matéria-prima.

Palavras não ferem. Letras fanfarronas no meio de um batidão sacodem o esqueleto, mas não ganham corações e mentes. Não pode um Estado se sentir ameaçado porque uma comunidade canta pessoas que conhece, suas lendas e seus mitos. Seu microcosmo foi criado porque a lei se ausentou. E não some assim.

Em vez de empunhar vassouras e empurrar diversões sob os tapetes, as polícias precisam provar que são aliadas do morador - e o jovem funkeiro está incluso nessa. Se é para mostrar serviço, que se perca tempo com criminosos, e não com censura.

Autor: Márvio dos Anjos

Clique aqui para assistir "Grosso Calibre"

Fonte: Destak Jornal

Créditos imagem: Google

"Se você e/ou sua empresa possui os direitos de alguma imagem/reportagem e não quer que ela apareça no Funk de Raiz, por favor entrar em contato. Serão prontamente removidas".

You Might Also Like

0 comentários

- Não serão aceitos comentários anônimos ou assinados com e-mail falso.

– Serão, automaticamente, descartados os comentários que contenham insultos, agressões, ofensas e palavras inadequadas.

– Serão excluídos, igualmente, comentários com conteúdo racista, calunioso, difamatório, injurioso, preconceituoso ou discriminatório.

– Os comentários publicados poderão ser retirados a qualquer tempo, em caso denúncia de violação de alguma das regras acima estabelecidas.

Like us on Facebook

Flickr Images

Frases