Glamouroso – MC Marcinho

18:00


O MC Marcinho é fofo.



Chega com cara de mau – correntes e relógio dourado no braço, cinco tatuagens no corpo, camisa de jogador de basquete. Mas aí vê se um “100% Jesus” num dos braços, a MC Cacau (sua mulher) noutro, e ele falando que curte Fábio JR e Roupa Nova.

O rapper é um fenômeno. Morador de Bangu, faz show era nove de cada dez festas da Zona Sul carioca, da bote Meier a Nuth da Baronetti a festinhas fechadas. No réveillon, tocou em uma festa no Hotel Intercontinental, em São Conrado, Brasília não quer que ele saia mais de la de tanto show que faz na capital, e em  Porto Alegre e Fortaleza. Fora festinhas de 15 anos.
- A primeira festa de 15 anos na qual cantei foi na Barra. Quando eu olhei, tinha mulheres de vestido lingo pirateado. Eu perguntei: “É aqui mesmo que eu vou cantar funk?” – lembra. 
Os adolescentes vibram como se lembrassem da época em que lancei as músicas.

Pois é, Marcinho é um ícone do inicio do funk, do tempo dos vinis da Furacão 2000. Em 1993 surgiu com o “Rap do solitário”, um clássico. Tinha 16 anos e já sofria de amores.

Fez muito sucesso, trocou no programa da Xuxa e conseguiu o feito de tirar o grupo de pagode Raça Negra do primeiro lugar da parada da Rádio 98. Coisa antiga. Mas, principalmente, foi com os companheiros do funk melody, essa vertente água-com-açucar do funk, que ele conseguiu abrir caminho para o batidão entre as classes média e alta, o que hoje é comum, mas há 10 anos não. Depois vieram os “bondes” coreografados, os “proibidões” com letras-baixaria e MC Marcinho ficou esquecido.
- Foi uma fase muito difícil. Toda noite desmarcavam quatro shows meus, e eu com filho pequeno, tendo que comprar fraldas.
Marcinho – que nunca fez nada na vida a não ser cantar – teve até que trabalhar. Assumiu o cargo de chefe de administração do Hospital de Duque de Caxias.
- Eu chegava ao Pronto Socorro e sempre tinha alguém que me reconhecia e gritava “MC Marcinho, MC Marcinho”. Meu chefe teve que implorar para eu não sair da sala para evitar confusão – brinca
“O Rio de Janeiro é funk”

Engordou vinte quilos – “era muito xtudo e refrigerante que botava pra dentro” – ficou deprimido e se separou e um tempo da Cacau. Hoje, aos 26 anos, pai de três filhos (Cacau está grávida de mais um), faz musculação e está e tpdas as paradas com a musica “Glamourosa” que virou inclusive toque de celular. Diz que foi Deus quem o ajudou a tocar a bola para frente. Marcinho frequenta desde criança a igreja da Graça Cristã e lá aprendeu a cantar e a “não ter vícios”. As irmãs e a mãe ainda cantam no coral da Igreja, o pai foi um dos primeiros puxadores de samba da escola Grande Rio, e todos vão a missa aos domingos.

Ao lado de Bob Rum e MC Leozinho (que canta “Se ela dança eu danço”), leva “playboy ao delírio”.
- Canto para playboy e para as pessoas da comunidade do mesmo jeito e é sempre bom – diz - O Rio de Janeiro é funk, mas ainda temos que ganhar mais espaço na mídia. Tenho orgulho de ter o MC no meu nome.

Créditos:  Carolina Isabel Novaes /1996

"Se você e/ou sua empresa possui os direitos de alguma imagem/reportagem e não quer que ela apareça no Funk de Raiz, por favor entrar em contatoSerão prontamente removidas".

You Might Also Like

0 comentários

- Não serão aceitos comentários anônimos ou assinados com e-mail falso.

– Serão, automaticamente, descartados os comentários que contenham insultos, agressões, ofensas e palavras inadequadas.

– Serão excluídos, igualmente, comentários com conteúdo racista, calunioso, difamatório, injurioso, preconceituoso ou discriminatório.

– Os comentários publicados poderão ser retirados a qualquer tempo, em caso denúncia de violação de alguma das regras acima estabelecidas.

Like us on Facebook

Flickr Images

Frases