Aos 20 anos, funk brasileiro deixa o Rio e ganha o país

04/09/2009 | comentários: 0

O funk carioca parece finalmente ter chegado à sua maioridade. Nesta semana, o gênero viu revogada a lei que instituiu uma série de normas que vinham regulamentando seus bailes em comunidades do Rio de Janeiro. Ao mesmo passo, foi aprovado um projeto de lei que define o funk como movimento cultural.

Os ajustes jurídicos coincidem com o aniversário de 20 anos de "Funk Brasil", disco de DJ Marlboro considerado marco zero do funk carioca.

Lançado em 3 de agosto de 1989, o álbum deu as primeiras letras em português ao funk que se escutava nos bailes do Rio de Janeiro, quando a música era 100% estrangeira, oriunda de discos importados, principalmente de miami bass.

"O "Funk Brasil" foi um marco do gênero. É o disco que começou a mostrar como o som gringo que tocava nos bailes passou a ser substituído por criações locais", diz Ronaldo Lemos, colunista da Folha.

Para Silvio Essinger, autor de "Batidão - Uma História do Funk", a importância do disco foi mostrar aos "moleques do baile" que eles podiam deixar de ser público para serem artistas. Elizete Ignácio, coordenadora de um estudo da Fundação Getúlio Vargas que analisou o funk carioca por sua perspectiva socioeconômica, acredita que a maior contribuição do disco foi permitir que MCs passassem a compor, e sobre seu próprio cotidiano, liberando-os das versões e paródias de músicas estrangeiras.

Um ano antes de "Funk Brasil", Marlboro lançou "Melô da Mulher Feia", que faria parte do disco. Considerado o primeiro sucesso do funk carioca, a música é uma versão da americana "Do Wah Diddy" com letra em português. "Aportuguesar as músicas é uma coisa antiga, da origem dos bailes", afirma Marlboro, lembrando os anos 70. "O público já vinha fazendo essas paródias", conta Essinger.

Apesar de suas 250 mil cópias vendidas, segundo Marlboro, "Funk Brasil" sofreu certa rejeição. "O próprio movimento o boicotou. Havia todo um comércio de música internacional que iria acabar", conta o DJ sobre os discos estrangeiros tocados nos bailes. "Não foi unânime. Para os DJs, funk era americano, de Miami", diz o DJ de funk carioca Sany Pitbull.

Mistura

A partir do disco, o funk carioca começou a se distanciar de sua receita estrangeira. "Se em "Funk Brasil" ainda temos uma influência grande das músicas negras americanas que dão origem ao gênero nos anos 70, depois vimos crescer no funk a mistura com ritmos brasileiros", defende Lemos, citando fusões com o choro.

"Quando o funk foi expulso do asfalto e empurrado para o morro, ele encontrou uma cultura negra e nordestina muito forte. O funk foi se transformando", afirma Pitbull, sobre as restrições à realização de bailes em clubes do Rio de Janeiro, depois de diversos episódios de violência levarem o ritmo às páginas policiais, no começo da década de 90.

Essinger destaca a criação do "tamborzão" --a batida do tambor usada repetidamente como base para as músicas--, como uma das grandes mudanças do gênero. "[O funk carioca] É outra música. É completamente samba, herdeiro da música afro-brasileira, dos terreiros, mas feito de forma eletrônica."

Para Lemos, o funk deixou de ser carioca há muito tempo: "Hoje ele está presente no Brasil todo e é produzido tanto nas periferias quanto fora delas", diz, citando o Bonde do Rolê.

Para Elizete Ignácio, essa foi a principal mudança do gênero sob sua perspectiva sociológica: "Se há 20 anos os funkeiros tinham menos possibilidades de circular, hoje não há mais restrição. Essa mudança é o que vem possibilitando a renovação do gênero".

Para Marlboro, o número de bailes hoje é menor. "Mas hoje você ouve funk até em festa de 15 anos."

Créditos: PB Agora


"Se você e/ou sua empresa possui os direitos de alguma imagem/reportagem e não quer que ela apareça no Funk de Raiz, por favor entrar em contato. Ela será prontamente removida".