MC Leonardo na Megazine, O Globo

23/04/2009 | comentários: 3

Na Megazine de hoje você vê parte de um debate polêmico entre um produtor de baile funk (MC Leonardo) e um de raves (DJ Roger Lyra). Eles dizem que os segmentos que representam são discriminados, tanto por uma parte da sociedade como pelos parlamentares autores de uma lei que, na prática, impõe duras condições à realização dos eventos. O assunto rende muito. Tanto que nem coube na revista. Por isso, veja aqui tudo o que os dois disseram. E deixe sua opinião!

O GLOBO: De onde vem a perseguição contra o funk e as festas de música eletrônica?

MC LEONARDO
O funk é negro e pobre. É da favela e, por isso, vai ser sempre discriminado. Trombadinha, pivete e funkeiro são sinônimos na opinião de boa parte do Brasil, e a sociedade criou pretextos pra censurar o funk, como a morte do Tim Lopes e os arrastões dos anos 90. Baile funk também não trasmite Aids, como muita gente já disse. Tudo isso deu moral para quem quer proibir. Os comandantes da PM não autorizam bailes na sua área porque odeiam funk, e a coisa fica por isso mesmo. Mas acho que a sociedade está perdendo uma chance de se comunicar. Uma juventude que sabe onde quer ir, que sabe o que quer ouvir... É um espaço para a política se comunicar.

ROGER LYRA
Se você trocar algumas palavras, muito do que o Leo disse serve pra música eletrônica. A principal diferença é essa coisa da cor e da classe social. A musica eletrônica é elitista, mas isso não impediu ninguém de perseguir essa cultura. Pessoas acham que sou envolvido com drogas porque “mexo com música eletrônica”. Qualquer evento com milhares de jovens vai ter drogas envolvidas e, infelizmente, não se pode controlar tudo. O marco negativo foi em 2007, quando um menor de idade morreu na Happyland após consumir 13 comprimidos de ecstasy. Na época, eu organizava o festival Creamfields, que rolaria 42 dias depois. Viramos a bola da vez, e todo mundo só me perguntava sobre drogas. Procuramos o MP e fizemos uma ação conjunta. Na porta do Creamfields, tinha até Instituto Felix Pacheco, para evitar menores, além de policiais à paisana dentro do evento. Só não contava que fosse aparecer o Ministério do Meio Ambiente, investigando “denúncias de barulho”. Isso no Riocentro, onde acontece todo tipo de evento, e não tem vizinhos. Os funcionários foram agressivos e até ameaçaram prender meu sócio se não baixássemos o som.

Você também enfrenta esse tipo de dificuldades, Léo?

MC LEONARDO
Há um ano a gente promove rodas de funk por toda a cidade, e estamos com uma grande dificuldade porque essa roda tinha que ser na rua, e ninguém libera. Por isso, estamos fazendo dentro das universidades federais, e tem uma na cadeia da 52ª DP também. Vários outros lugares embarreiram o evento. Os bailes funk sumiram da Zona Sul, do asfalto. Hoje, estão quase todos nas favelas. Agora pergunto: o som do samba é mais baixo que o do baile? Não é! Mas baile não pode rolar nas quadras das escolas. Por quê? A associação de moradores de São Conrado não reclama de ensaio de samba na quadra da Rocinha, mas baile não pode. Só que o som da favela hoje é o funk. Não é mais o samba. E digo mais: hoje o funk representa o Brasil no mundo todo. Na Europa se fala de funk como música eletrônica brasileira. Os gringos são apaixonados. Mesmo assim, o ritmo é censurado abertamente na sua terra natal.

Essa lei do Álvaro Lins impõe uma série de exigências aos dois ritmos. Por que ela está errada?

MC LEONARDO
Ordem absurda não se cumpre. Funk não é caso de polícia, é cultura e deveria se entender com os órgãos de cultura. A polícia não pode ter o poder de dizer sim ou não sobre os eventos. A polícia tem que ser informada e disponibilizar o efetivo pra garantir a segurança. Todos os ritmos tem seus excessos. Só que, no caso do funk e da rave, as autoridades preferem combater os ritmos, as festas, em vez de reprimir as drogas e a violência. Existem 300 bailes no Rio no fim de semana, mas isso tá diminuindo. Porque a lei é muito difícil de se obedecer. Num baile cuja entrada custa de R$ 5 e R$ 3, como criar toda a estrutura exigida, com câmeras de segurança para todos os lados? E a lei exige um banheiro para cada 50 pessoas por quê? Ouvir funk dá vontade de fazer cocô?

Leia mais aqui: Fazendo a Megazine


Créditos a revista Megazine do jornal O Globo

"Se você e/ou sua empresa possui os direitos de alguma imagem/reportagem e não quer que ela apareça no Funk de Raiz, por favor entrar em contato. Ela será prontamente removida".