Rio Parada Funk: Projeto que pretende reunir cem mil pessoas no Centro do Rio

12/07/2011 | comentários: 1

RIO - Vai ser o dia D do funk. Na luta contra o preconceito, 50 DJs, 40 MCs, dez equipes de som e alguns aliados vão invadir a Avenida Rio Branco, na Rio Parada Funk. Marcado para 30 de Outubro, um domingo, o ambicioso evento - que vai ser lançado, neste sábado, às 23h, numa festa no Circo Voador - pretende reunir cem mil pessoas e provar que, embora não seja a batida perfeita para muitos, o batidão é uma das trilhas sonoras da cidade.

A iniciativa desse megabaile funk, digno de registro no Guinness dos recordes, não é solitária. Por trás dele está um coletivo, formado pelos produtores da festa Eu Amo Baile Funk (que acontece há três anos no Circo) e por DJs como Sany Pitbull e Grandmaster Raphael, além de MCs e representantes de equipes de som.

- No começo, todos achavam que era um projeto delirante, mas aos poucos ele foi tomando forma, com a contribuição de todos os segmentos da cultura funk - explica Mateus Aragão, produtor da Eu Amo Baile Funk e um dos idealizadores da parada. - A ideia é transformar essa data num dia de afirmação do funk, uma espécie de dia da consciência funk.

Em vez de usar trios elétricos - como na Rio Parade, de música eletrônica, que aconteceu no mesmo local em 2003 -, o projeto prevê a instalação de nove palcos ao longo da Rio Branco, "pontos" onde se apresentarão, das 10h às 22h, as equipes de som, com seus DJs e MCs. Ou seja, quem vai desfilar será o público.

- Acreditamos que esse formato seja mais seguro do que ter uma multidão atrás de trios elétricos - diz Aragão. - Cada palco vai ter uma equipe de som, representando uma época dos bailes. Vai ter soul, funk melody, funk clássico e até os sons mais modernos, do novo funk, representado pelo pessoal do Apavoramento Sound System, por exemplo. Pretendemos chamar também amigos do funk, como Fernanda Abreu e Gabriel O Pensador. Além disso, esses pontos vão ter estandes de campanhas sociais, incluindo temas como o combate ao crack e o sexo seguro.

Créditos: O Globo

"Se você e/ou sua empresa possui os direitos de alguma imagem/reportagem e não quer que ela apareça no Funk de Raiz, por favor entrar em contato. Serão prontamente removidas".