Considerado pai do hip hop e do funk carioca, Afrika Bambaataa faz show no Rio

01/04/2010 | comentários: 0

RIO - O Padrinho está na cidade. O homem que no início da década de 1980 plantou as bases do hip hop - e, consequentemente, de boa parte da música pop e eletrônica que se produz hoje no mundo, incluindo o funk carioca - está desde terça-feira no Rio, mais uma vez, para dar a partida em uma turnê nacional que começa esta quinta no Circo Voador, em noite com a participação de Mr. Catra e Marcelo D2. Sua figura gigantesca, o séquito que o acompanha e seu discurso filosófico-apocalíptico-conspiratório fazem Afrika Bambaataa parecer um líder religioso ou um patriarca de uma máfia do bem. Na base de sua Zulu Nation (organização de ambições planetárias criada para difundir valores como amor, solidariedade e compreensão), porém, está um desejo simples:

- Quando comecei a misturar sons (a eletrônica cerebral de Kraftwerk com o suingue do funk de George Clinton na fundadora "Planet Rock", por exemplo), queria apenas que as pessoas do mundo inteiro pudessem festejar juntas, sob o som do funk - conta Bambaataa, cuja influência pode ser claramente ouvida hoje em canções como "Boom boom pow", hit dos Black Eyed Peas. - Porque pode ser funk carioca, electro funk, hip hop funk, techno funk, rock funk. Mas sempre funk. Sempre fazendo as pessoas dançarem com a música ("Dance to the music"), como Sly & The Family Stone diziam.

Leia o restante da matéria aqui:O Globo on line

"Se você e/ou sua empresa possui os direitos de alguma imagem/reportagem e não quer que ela apareça no Funk de Raiz, por favor entrar em contato. Serão prontamente removidas".