Baile funk da Ladeira dos Tabajaras em clima de paz

30/08/2010 | comentários: 0
Rio - Sem tiros, presença de traficantes ostentando armas nem consumo de drogas, a comunidade Ladeira dos Tabajaras, em Copacabana, promoveu no sábado à noite o primeiro baile funk realizado numa área ocupada por uma Unidade de Polícia Pacificadora (UPP), devidamente autorizado pela Polícia Militar. Em clima de paz, quase 500 pessoas lotaram a quadra da Escola de Samba Villa Rica, onde aconteceu o evento. O panorama era de diversidade: grupos de gringos se misturaram a funkeiros da localidade e moradores da Zona Sul.

MC Leonardo iniciou, ao lado do parceiro MC Júnior, as apresentações e emendou com letras que cobram mais tolerância entre polícia e favela | Foto: Eduardo Naddar / Agência O Dia

O baile organizado pelo presidente da Associação dos Profissionais e Amigos do Funk (Apafunk), MC Leonardo, foi resultado de reuniões entre comunidade e polícia. O evento contou com a presença do deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL), autor da lei que reconhece o funk como movimento cultural, e dos secretários estaduais de Cultura e Assistência Social e Direitos Humanos, Adriana Rattes e Ricardo Henriques, respectivamente.

Na noite, o policiamento foi reforçado pelo capitão Renato Senna, comandante da UPP. Foram disponibilizados 45 PMs para patrulhar os acessos. “Com a tranquilidade do evento, essa festa tem tudo para ser semanal e atender ao desejo dos moradores. A iniciativa é da Apafunk e o papel da polícia é não intervir”, declarou o oficial.
A data foi escolhida, depois de uma reunião, entre membros da comunidade, diretoria da Apafunk e os policiais da UPP, há menos de 10 dias. Segundo o capitão Senna, cerca de 60 pessoas compareceram à reunião e 90% foram a favor do baile funk, que é questionado pela segurança e barulho que incomoda outros moradores.

Sem nenhum ‘proibidão’ no repertório, o MC Leonardo iniciou, ao lado do parceiro MC Júnior, as apresentações e emendou com letras que cobram mais tolerância entre polícia e favela. “Vamos comemorar o reconhecimento do funk como cultura e isso não pode ser desconsiderado”, disse. Além de agradar grande parte da comunidade, a festa ajuda na arrecadação de verbas para o Carnaval 2011, da Escola de Samba Villa Rica. Os ingressos foram vendidos por R$ 5 e R$10.

Reportagem de Adriana Cruz e Priscila Costa

Clique abaixo e pariticpe da enquete no site!

Créditos: O Dia

"Se você e/ou sua empresa possui os direitos de alguma imagem/reportagem e não quer que ela apareça no Funk de Raiz, por favor entrar em contato. Serão prontamente removidas".