Documentário "Sou Feia mas Tô na Moda" mapeia o funk carioca.

19/07/2008 | comentários: 0

Longa-metragem documentário de Denise Garcia

61 minutos. Vídeo Digital. 2005.

Direção: Denise Garcia
Produção: Denise Garcia
Fotografia e câmera: Paulo Camacho, Pedro Bronz and Matias Maxx
Edição: Gustavo Melo (Telephone Colorido)
Assistente de produção: João Mors Cabral
Diretor de animação: Allan Sieber
Produzido no Rio de Janeiro em 2004 - 2005
Empresa produtora: Toscographics Desenhos Animados

Sinopse

O funk carioca está repleto de MCs e bondes formados por mulheres. No mercado dos bailes, as atrações femininas são essenciais ao sucesso da noite. Tem Tati Quebra-Barraco puxando o coro do público, que canta junto suas letras, tem Tchutchucas, Danadinhas, Bonde Faz Gostoso e muitos outros bondes fazendo a massa delirar com seus requebrados. Tem de tudo para todos os gostos e o resultado é uma festa onde milhares de jovens repetem gestos, coreografias e se divertem.

O Rio de Janeiro é o palco da cultura funk. Segundo alguns, a quantidade de bailes funk beira os 500 por final de semana. Envolvidos na produção destas festas, estão equipes de som, empresários, DJs, donos e funcionários de clubes, equipes de iluminação, ambulantes vendendo comidas e bebidas nos locais e muitos freqüentadores. Enfim, temos aí uma economia sendo sustentada pelo desejo e talento de uma enorme população que vive nas favelas e subúrbios cariocas.

Este filme procura mapear o universo do funk carioca sob a ótica das funkeiras, que também são mães, esposas, estudantes, trabalhadoras.

Matéria sobre o documentário:

Durante cerca de um ano, a diretora Denise Garcia e sua equipe percorreram bailes cariocas e no exterior, acompanhando o trabalho de diversos MCs (mestres de cerimônia) e coletando depoimentos de pessoas ligadas à cena e pesquisadores.

O filme conta o início do funk, inspirado no Miami Bass, gênero dos anos 1980, e passa pela transformação dos bailes violentos em bailes do prazer.

Chamados de "Lado A/Lado B", os bailes violentos eram marcados por corredores de briga, que dividiam o público em dois lados, e terminavam, muitas vezes, com a morte de participantes. Esse cenário mudou com os bailes que priorizavam a dança e as músicas com temas sexuais, os bailes do prazer.

"Sou Feia Mas Tô Na Moda" é o título de uma das músicas de Tati Quebra-Barraco, que no filme aparece aos oito meses de gravidez se apresentando em bailes lotados, rebolando e cantando letras sensuais, como "69 Frango Assado" e "Guerreira", acompanhada pelo coro feminino da platéia.

Apesar da referência direta a Tati, a personagem principal do documentário é Deize Tigrona, conhecida também como Deise da Injeção, responsável pela primeira música com letras explícitas, a "Discurti", sobre a liberalização sexual das mulheres no funk: "Tira onda pra elas é viver de sacanagem / os gatinhos até gosta / mas tu sabe como é / se eles pagam motel / elas faz o que eles quer", diz a letra.

No filme, ela caminha pela comunidade de Cidade de Deus e explica as mudanças pelas quais o funk carioca passou, apontando alguns representantes do baile do prazer: Cidinho e Doca, Bonde Faz Gostoso, Gaiola das Popozudas, MC Catra, entre outros.


Feminista sem Cartilha

Segundo o olhar da diretora e de seus entrevistados, o funk colaborou para uma postura menos submissa das mulheres, que dão voz aos seus desejos e lutam pela igualdade de direitos, principalmente sexuais.

"É feminista sem cartilha", explica o DJ Marlboro durante os registros de uma visita a Paris.
Ícones do movimento, as funkeiras tornaram-se desejadas por homens e admiradas por mulheres. Elas desempenham a função de educadoras, alertando as jovens para a prevenção de doenças ou de uma gravidez indesejada, como na música "Ginecologista", do grupo Juliana e as Fogosas.

O filme afirma ainda que no funk não há preconceito, exemplo disso é o sucesso de Lacraia, dançarino travesti que se apresenta ao lado de MC Serginho ("Eguinha pocotó"). De acordo com Deize, um dos problemas enfrentados pelos funkeiros é a discriminação social dos que estão fora das comunidades.

Por fim, o documentário acompanha a internacionalização do funk, estilo que conquistou espaço na Europa, com apresentações de Marlboro no festival espanhol Sonar e em casas noturnas na França, Inglaterra e Eslovênia.

O DJ aparece ciceroneado pela dupla brasileira Tetine, que mantém um programa de rádio em Londres dedicado ao funk carioca e lançou neste ano o disco "Bonde do Tetão", coletânea de funks originais, que inclui uma versão para "Discurti".

(Créditos: www.blogcatalog.com)


"Se você e/ou sua empresa possui os direitos de alguma imagem/reportagem e não quer que ela apareça no Funk de Raiz, por favor entrar em contato. Ela será prontamente removida".