Funk Rio, Baixada Santista

04/04/2010 | comentários: 1

Baixada Santista vista do Alto


O funk sempre ultrapassou barreiras e São Paulo, mais precisamente Santos não ficou imune a isso.

Tudo começou com a equipe Foot Loose em 1985. Na época uma pequena discoteca que acabou virando loja, selo e equipe de som. Durante algum tempo a Foot Loose também trabalhou como empresária e teve como "afilhados" os grupos Chefe Body e X Melody.

A equipe tinha uma programação na rádio e em seu horário a mesma arrasava com as concorrentes, um programa diário que resultou também em um jornal.

Seus donos conhecidos como Lorival e Pitch Loco, começaram a história daquela que seria a maior equipe de som de Santos.

"A discoteca serviu para unir as pessoas que gostavam de funk, o resto veio como consequência de muito trabalho."

Com a explosão do Funk no Rio, Lorival teve a idéia de levar o movimento para Santos, penou para conseguir espaço, só conseguiu em rádio comunitária.

"Antes de ter o programa na rádio comunitária, tinha tentado em várias outras, mas fui muito discriminado".

Mas graças a sua perseverança e vontade, a massa funkeira santista não teve do que reclamar, a Foot Loose ganhou a parada e firmou o seu lugar.

Os bailes da Foot Loose ganharam tanta fama na baixada que Lorival começou a "importar" Lp's, K7's, e mais tarde CD's. Sua loja foi de grande importancia para o movimento, já que era uma das poucas a vender produtos para funkeiros e levar a moda carioca para os santistas.

O selo Foot Loose foi dono de vários lançamentos na época, seu maior sucesso de vendas foi "Funk loose Melody", que vendeu 10 mil cópias.

Graças a Lorival, essa semente plantada lá trás, hoje dá muitos frutos. O funk carioca criou adeptos e seguidores, surgindo assim vários artistas que despontaram no mercado com suas musicas politizadas e de forte apelo.

Com estilo próprio, a baixada santista virou um mercado de grande potencial, a profissionalização, assim como aconteceu no Rio de Janeiro, trouxe aos holofotes, ídolos da periferia. E apesar da música ter ultrapassado as barreiras sociais, sendo trilha sonora de confraternizações de todas as classes, quem trabalha com o gênero, ainda enfrenta dificuldades.

Mesmo ignorados por alguns, o fato é que o cenário da Baixada Santista cresce a todo vapor e traz consigo uma chance de transformações para muitas pessoas .

"Antigamente o funk era relacionado somente a violência, drogas, sexo, prostituição, hoje não. É uma profissão, é um trabalho e é o resgate de vários jovens que seriam apenas mais um. O que seriam deles se não fosse o Funk?”

O site Brasil Funk Baixada, faz um trabalho muito legal falam sobre suas raízes e trabalhos sociais. Vale a pena conferir!

Acessem: Brasil Funk Baixada

Nossa homenagem ao funk da baixada, um dos mais politizados dentro do movimento.

"Se você e/ou sua empresa possui os direitos de alguma imagem/reportagem e não quer que ela apareça no Funk de Raiz, por favor entrar em contato. Serão prontamente removidas".